fbpx

Notícias

Professor da Fazu orienta projetos de pecuária de corte e de leite nos estados do Maranhão, Goiás e Bahia

//
Comentário0
/

Durante as férias escolares da Fazu (Faculdades Associadas de Uberaba), o professor Adilson de Paula Almeida Aguiar continuou desenvolvendo seus trabalhos como palestrante e consultor em projetos de pecuária de corte e de leite. O professor trabalhou, entre os dias 11 e 19 de julho, nos estados do Maranhão, Goiás e Bahia.

50ª EXPOIMP 2018

Nos dias 11 e 12 de julho, o professor Adilson trabalhou no Maranhão, na cidade de Imperatriz, onde, no dia 12 de julho, ministrou a palestra “Alavancando a produção animal em pastagem”, durante a 50ª EXPOIMP 2018, a convite do Sindicato Rural, para um público de mais de 200 participantes, a maioria pecuaristas que têm fazendas na região, mas também muito técnicos, estudantes e professores. Na ocasião, o professor Adilson encontrou durante o evento vários egressos do curso de Zootecnia da Fazu. Clientes e amigos viajaram dos estados do Pará e do Tocantins para se encontrarem com o professor Adilson e prestigiarem sua palestra.

O professor Adilson Aguiar desenvolve atividades no Maranhão desde 2012 quando, a convite do Sindicato Rural de Imperatriz, ficou uma semana inventariando recursos e emitindo diagnósticos em fazendas de pecuária de corte da região. A partir daí o professor voltou, anualmente, na região para trabalhos.

E, neste ano, mais uma vez, o professor Adilson foi convidado pelo amigo engenheiro agrônomo Luciano Honório, que é pecuarista no estado e um dos diretores do Sindicato Rural de Imperatriz e que iniciou seu curso de agronomia na Fazu, mas depois se transferiu.

Galvão Agropecuária

O professor Adilson Aguiar trabalhou, nos dias 13 e 14 de julho, o estado do Goiás, no município de Caldas Novas, na Fazenda Santo Antônio do Sapecado de propriedade da Galvão Agropecuária, de Luiz Régis Galvão Filho, para o trabalho de rotina no acompanhamento do projeto que teve início sob a orientação do professor Adilson em junho de 2011 quando ele fez o inventário dos recursos da propriedade: clima, solos, pastagens, rebanho, benfeitorias e edificações, máquinas, implementos, veículos, capital, os objetivos e as metas do proprietário. Posteriormente, o professor Adilson Aguiar indicou o colega Mateus Contatto para fazer o acompanhamento da execução do projeto por meio de visitas de rotinas desde 2012, enquanto o professor Adilson faz visitas esporádicas. O colega Mateus é egresso do curso de Zootecnia da Fazu, graduado em 2009, especialista em Gestão do Agronegócio, professor nos cursos de pós-graduação da Fazu de Manejo da Pastagem e Nutrição e Alimentação de Ruminantes, e consultor da Contatto Consultoria.

“O rebanho atual estava composto por 488 cabeças (em janeiro estava com 650 cabeças) nas fases de cria, recria e engorda (atividade de ciclo completo), pastejando em 348 hectares, com taxa de lotação de 1,4 cabeça/ha e 1.3 UA/ha (em janeiro estava em 1,87 e 1,3/ha, respectivamente), mas a meta é o rebanho alcançar 2.000 cabeças média ano (na próxima estação chuvosa de 2018:2019 alcançará 1.273 cabeças). Para alcançar esta meta a propriedade foi toda modulada em 87 piquetes com área média de 4 hectares cada um; o programa de correção e adubação do solo para a intensificação teve início este ano; um confinamento para 1.000 cabeças estáticas foi construído com plano de expansão; 111 hectares em área vizinha à fazenda foram arrendados para a produção de silagem”, afirma o professor.

O principal objetivo do proprietário é conduzir um projeto para produção de carnes especiais de animais cruzados Angus/Nelore.

 

Fazenda Leite Verde

O professor Adilson Aguiar, entre os dias 16 e 19 de julho, voltou ao Sudoeste da Bahia, no município de Jaborandi, para fazer seu terceiro trabalho de rotina do ano 2018 no projeto da Fazenda Leite Verde, que ele assessora naquela região desde 2002. Este projeto é de um grupo de produtores e investidores da Nova Zelândia e de sócios brasileiros, entre os quais o professor Adilson.

“Em 2017, a produção média diária foi de 21.400 litros de leite com 1.665 vacas em lactação e uma produtividade média por vaca de 13 litros/vaca/dia e 34.295 litros/hectare/ano nos pivôs com vacas em lactação e 15.523 litros/hectare/ano na área total, incluindo as áreas de pastagens pastejadas pelas categorias de recria. No último dia 18 de julho a produção diária estava em 22.049 litros, com produtividade média por vaca de 12 litros/dia”, destaca o professor.

Para 2018 está previsto um volume total de produção de 10 milhões de litros, ou 27.397 litros/dia com 1.734 vacas em lactação e 15.8 litros de leite/vaca/dia. O grupo Leite Verde ainda tem as marcas Leitíssimo e Delicari, com os produtos Leitíssimo Integral, Leitíssimo Baixa Lactose, Leitíssimo Desnatado e o creme de leite (da Leitíssimo) e iogurtes, picolés e sorvetes (da Delicari). A indústria Leitíssimo fica dentro da própria fazenda e a Delicari fica em Jundiaí/SP.

Nos últimos três meses de 2017, a indústria Leitíssimo processou uma média de 58.607 litros (no dia 18 de julho estava processando 50.000 litros/dia), dos quais 26.386 litros foram entregues pela Fazenda Leite Verde, sendo que a diferença de 26.327 litros foram produzidos por dois parceiros, produtores da Nova Zelândia, que têm fazendas vizinhas à da Leite Verde, entre os quais a Agropecuária Três Maria (ATM). “O rebanho da ATM teve como base o rebanho da Fazenda Leite Verde a partir de vacas que eram alugadas, mas a partir de 2016 a própria ATM está produzindo seus animais. A Fazenda Sete Copas ainda continua alugando as vacas da Fazenda Leite verde em um tipo de contrato especial baseado em contratos típicos feitos pelos produtores na Nova Zelândia”, afirma Aguiar.

Como consultor, o professor Adilson Aguiar é responsável nestas propriedades visitadas pelos programas de manejo da pastagem, correção e adubação dos solos, formulação dos suplementos minerais e concentrados, treinamento dos integrantes das equipes das fazendas nestas diferentes áreas, orçamento técnico e financeiro, planejamentos de longo, médio e curto prazo.

Como diretor e sócio, o professor Adilson Aguiar participa das reuniões anuais da diretoria do Grupo Leite Verde, composta por quatro neozelandeses e pelo professor. São realizadas quatro reuniões anuais, duas a três são no Brasil e uma a duas são na Nova Zelândia.

Lembrando que a Fazenda Leite Verde é gerenciada por um egresso da Fazu, o zootecnista Juliano Alves Almeida, que vive na fazenda e que é gerente desde 2009. Logo após a sua graduação, Juliano foi indicado pelo professor Adilson para trabalhar como técnico em um dos pivôs da Fazenda Leite Verde, com a sua competência e determinação chegou ao posto mais alto, o de gerente geral de produção da fazenda. Atualmente, Juliano Almeida é um dos gerentes que mais domina os processos de produção em grandes projetos de produção de leite em pasto.

Deixe uma resposta