fbpx

Notícias

Professor da Fazu orienta projeto da empresa BrPec

//
Comentário0
/

O professor da Fazu (Faculdades Associadas de Uberaba), Adilson de Paula Almeida Aguiar, trabalhou, entre os dias 28 e 31 de maio, no estado do Mato Grosso do Sul, no projeto da empresa BrPec, que está localizada no município de Miranda. É um projeto de integração lavoura/pecuária. Na agricultura cultiva-se soja, na primeira safra, e milho, na segunda safra, para silagem de grão úmido e para grãos secos, seguidas de uma terceira safra com pastagens de inverno para cria e recria de animais. Na pecuária têm dois projetos, um de melhoramento genético da raça Nelore no programa da Conexão Delta Gen, com 1.500 fêmeas em reprodução, e outro de produção de carne, com 14.500 fêmeas em reprodução.

Segundo informações do professor Adilson, a área total da propriedade soma 132.353 hectares, dos quais 31.675 hectares são de preservação ambiental, entre reserva legal e área de preservação permanente e 99.170 são úteis, descontando as áreas ocupadas com benfeitorias e edificações. “Na safra 2017/2018 foram cultivados 10.225 hectares com soja e 1.618 com milho na primeira safra. Para a produção de silagem para os animais confinados foram cultivados 708 hectares. Na safra 2018:2019 foram cultivados 7.154 há”, comenta.

Na pecuária o rebanho atual está em 40.000 cabeças, das quais 16.000 são vacas, ocupando uma área de pastagens de 87.529 hectares, mas atualmente apenas 50.000 hectares estão efetivamente empastados e destes 20.064 hectares são de pastagens nativas que ficam 7 sete meses submersos impossibilitados de serem utilizados. Nos dias deste trabalho o rebanho de 40.000 cabeças estava pastejando em apenas 30.000 ha de pastagens já que as pastagens nativas estavam submersas. A área de pastagem atual é re-dividida em 425 piquetes.

Tem um confinamento estático para 18.751 animais, mas no dia do trabalho do professor Adilson ainda não tinham animais confinados. Na safra 2018 foram confinados 22.000 animais e para esta safra de 2019 está programado o confinamento de 14.500 animais.

Em outubro de 2018, o professor Adilson esteve na BrPec para concluir o inventário de recursos que teve início com a equipe da empresa. Com base neste inventário, o professor Adilson Aguiar emitiu um diagnóstico da situação atual e do potencial do projeto.

Este segundo trabalho do professor Adilson já fez parte do programa de acompanhamento da execução do projeto com orientações sobre escolha de espécies forrageiras para o estabelecimento de pastagens perenes; os procedimentos para o estabelecimento de pastagens; o manejo de fertilidade de solo para o estabelecimento da pastagem; o controle de plantas infestantes; a integração lavoura/pecuária; a produção e uso de composto com o esterco do confinamento; a intensificação da produção das pastagens.

“A missão da empresa com este projeto é desenvolver um projeto de produção de grãos e carne bovina de alta qualidade, baseado nas quatro dimensões da sustentabilidade: técnica, econômica, social e ambiental”, afirma o professor.

O projeto é gerenciado e liderado pelo zootecnista, egresso da Universidade de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, Anderson Vargas.

 

Deixe uma resposta