fbpx

Notícias

Professor da Fazu ministrou três palestras e orientou cinco projetos em sete fazendas no Goiás

//
Comentário0
/

O professor da Fazu (Faculdades Associadas de Uberaba), Adilson de Paula Almeida Aguiar, e o seu colega o zootecnista Lucas Castro Silva, da Lancer Consultoria, estiveram entre os dias 20 e 30 de novembro no estado de Goiás. O professor Adilson ministrou três palestras e atendeu a 5 clientes em 7 fazendas.

Workshop Pecuária Intensiva a Pasto | Coan Consultoria 

O professor Adilson Aguiar participou nos dias 21, 22 e 23 de novembro do Workshop Pecuária Intensiva a Pasto, evento assinado pela Coan Consultoria em parceria com a Intensiva Consultoria, em Goiânia (GO). O professor ministrou as seguintes palestras “Recuperar ou reformar minha pastagem: eis a questão?”, “Como realizar os cálculos de taxa de lotação e capacidade de suporte em sistemas intensivos e extensivos?” e “Recomendações de adubação de pastagens para maximização da eficiência bioeconômica”.

Participaram 230 pessoas de MG, GO, PÁ, TO, MT no evento.O objetivo foi apresentar em profundidade todo o potencial das ferramentas para maximizar a produção a pasto. Além de aproximar pecuaristas, extensionistas e pesquisadores, o evento busca trazer o participante para uma realidade de produção de pecuária intensiva, mostrando como as tecnologias inerentes ao processo de intensificação devem ser conduzidas, tudo dentro de uma análise criteriosa, haja visto que muitas técnicas estão disponíveis, contudo, nem todas são aplicáveis e viáveis a todas as propriedades.

Fazenda Acará – FAZAC

O professor Adilson Aguiar fez o seu segundo trabalho de rotina de 2018 para a Fazenda Acará (FAZAC), no município de Britânia, Goiás, nos dias 23 e 24 de novembro. É um projeto que o professor acompanha desde 1999 com duas a quatro visitas anuais. Esta propriedade desenvolve as atividades de agricultura e pecuária. A área total é de 5.633 ha, dos quais 3.839 são úteis. Destes 947 ha são irrigados por pivôs centrais, sendo 8 pivôs de lavoura onde são cultivadas 2,5 safras/ano (5 safras a cada 2 anos), com os cultivos de milho para produção de silagem de grãos úmidos, milho para silagem de espiga (“earlage”), feijão e soja. Entre os intervalos destas culturas as vezes é cultivado milheto para pastejo.

De acordo com o professor, um pivô é explorado exclusivamente com pastagem para preparar animais para o confinamento onde em 65 ha pastejam entre 700 a 1.380 animais (no dia 24/11 pastejavam nesta área 853 animais com taxa de lotação de 13 animais/ha e 11,1 UA/ha). “Na safra 2017/2018 a pastagem irrigada alcançou produtividade da terra de 142 @/ha com ganho médio diário de 0,73 kg/cabeça/dia. Os restantes 2.820 hectares estão em processo de intensificação cujos solos em 2015 receberam calcário e gesso agrícola e na safra 2015/2016 foram adubados com composto organomineral produzido com o esterco recolhido nos currais do confinamento e nas safras 2016/2017 e 2017/2018 foram adubados com o esterco do confinamento e uma área mais intensificada recebem adubação química com N e K (nitrogênio e potássio, respectivamente)”, comenta.

Durante o período chuvoso dos 2.820 ha, 1,230 ha ficam submersos devido às cheias dos rios Araguaia e Vermelho e o rebanho pasteja em apenas 1.590 ha. No dia 24/11, 3.344 animais pastejavam na área de pastagens de sequeiro com taxa de lotação de 2,41 cabeças/ha e 1,4 UA/ha. Somando as áreas do pivô e das pastagens de sequeiro as taxas de lotação estavam em 2.9 cabeças/ha e 1.83 UA/ha. Na safra 2017:2018 a produtividade média ponderada alcançada em pasto (2.45% da área irrigada e 97.55% em sequeiro) foi de 14 arrobas/ha/ano com ganho médio diário de 0.55 kg/cabeça/dia. A recria é feita em pasto e a terminação (engorda) o ano inteiro em um confinamento com capacidade estática para 6.500 bois. No dia 24/11 estavam em confinamento 4.935 animais, porque no período chuvoso, por causa da formação de lama.

Neste projeto o professor Adilson Aguiar é responsável pela orientação no manejo da pastagem (escolha de forrageiras; plantio e recuperação da pastagem; correção, adubação e irrigação do solo; controle de plantas invasoras e insetos pragas; planejamento de longo, médio e curto prazos etc). Nas visitas entre várias atividades o professor Adilson ministra treinamentos para as equipes de trabalho da propriedade.

Fazenda Curral Velho

No dia 25 de novembro o professor Adilson trabalhou pela segunda vez em 2018 no projeto da Fazenda Curral Velho, na região noroeste do estado de Goiás, no município de Matrinchã. O primeiro trabalho de campo foi realizado no dia 16 de agosto de 2017 quando já tinha um ano que o professor Adilson vinha inventariando os recursos desta propriedade que estava em um processo de negociação para compra entre um cliente do professor e o proprietário anterior.

O negócio foi realizado em setembro de 2017 e no dia 12 de novembro deste ano o professor Adilson voltou à propriedade para apresentar o projeto de modulação das pastagens e avaliar os procedimentos já executados desde a compra da fazenda.

No dia 29 de abril de 2018 o professor Adilson avaliou o novo mapa com o croqui da modulação de pastagens; o padrão de estabelecimento de novas pastagens, os primeiros módulos de pastejo; as instalações (curral novo, galpão para máquinas, corredores de acesso, cercas, áreas de lazer, bebedouro), máquinas e veículos comprados e orientou o manejo do pastejo, o dimensionamento de cochos para arraçoamento, a renovação de pastagem degradada, a correção e adubação do solo e o controle de pragas e de plantas invasoras. No dia 25 de novembro o professor reavaliou todos estes parâmetros e deixou novas orientações.

O plano de negócio que o professor Adilson e o novo proprietário da fazenda estão executando é a recria intensiva de 2.000 a 2.500 machos em 229 hectares, sendo destes 78 que serão irrigados por pivô central, com terminação dos animais em semi confinamento e em confinamento no período da seca.

Elmo Engenharia

O professor Adilson Aguiar trabalhou pela segunda vez em 2018 nos dias 26 e 27 de novembro no projeto das Fazendas da Elmo Engenharia, na região norte do estado de Goiás, no município de Campos Verdes. São três propriedades de gado de corte de ciclo completo, com cria, recria e engorda de animais zebuínos e cruzamentos numa área total de 8.483 ha e com área útil de 6.851 há.

“Na safra 2017/2018 o rebanho médio foi de 8.991 animais, sendo 2.600 fêmeas em idade à reprodução. A análise dos índices zootécnicos desta safra está muito acima da média nacional alcançada pelas propriedades de pecuária de ciclo completo, alcançando índices acima das metas estabelecidas”, afirma.

Em janeiro de 2016 o professor Adilson visitou estas propriedades para inventariar os recursos do projeto para emitir um diagnóstico da situação atual (naquela data) e da potencial e apresentar uma proposta de trabalho. Neste projeto o professor Adilson Aguiar é responsável pela orientação no manejo da pastagem (escolha de forrageiras; plantio e recuperação da pastagem; correção, adubação e irrigação do solo; controle de plantas invasoras e insetos pragas; planejamento de longo, médio e curto prazos etc). Nas visitas entre várias atividades o professor Adilson ministra treinamentos para as equipes de trabalho da propriedade.

O projeto está numa fase de mudanças para um programa de intensificação da produção de carne em pasto por meio da modulação das pastagens em piquetes para a adoção dos métodos de pastoreio de lotação alternada e rotacionada, e da correção e adubação do solo. Na safra 2016:2017 foram intensificados 230 ha, na de 2017/2018 foram 664 ha e para a próxima safra, 2018/2019 serão intensificados 757 ha.

“A meta de taxa de lotação para estas áreas é de 4 UA/ha no período entre novembro e abril. Na safra 2017:2018 a produtividade alcançada nos 664 ha intensificados foi de 21 arrobas/ha, com ganho médio diário ano entre machos e fêmeas de 0.57 kg/cabeça/dia”, destaca o professor Adilson.

Fazenda Topgen

Entre os dias 28 e 29 de novembro o professor Adilson Aguiar trabalhou pela terceira vez em 2018 no projeto da Agropecuária Topgen WV, na região norte do estado de Goiás, no município de Amaralina. O primeiro trabalho em 2018 foi no dia 26 de abril quando o professor Adilson ministrou a palestra “Fundamentos do manejo da pastagem da Agropecuária Topgen” no 3º Dia de Campo da Agropecuária Topgen WV, e o segundo foi entre os dias 20 e 22 de junho para o trabalho de rotina.

Em 2017, o professor Adilson trabalhou três vezes neste projeto, em fevereiro, maio e novembro. A Fazenda Topgen pertence à Agropecuária Topgen e possui uma área de 3.770 hectares dos quais 1.581 ha são para preservação ambiental e os restantes 2.189 ha são produtivos. Destes 1.265 foram cultivados com lavouras, 120 ha com sorgo forrageiro para a produção de silagem e o restante com soja, na safra 2017:2018. Em fevereiro de 2018 472 ha foram semeados com sorgo para a produção de grãos e o restante da área cultivada com soja foi sobressemeada com a espécie Panicum maximum cultivar Mombaça, para a produção de forragem para a seca, como pastagens de inverno.

“Os 1.060 ha restantes foram explorados com pastagens perenes intensivas cujos solos foram corrigidos e adubados durante três a quatro anos com cultivo de soja, e continuam sendo corrigidos e adubados durante o ciclo da pecuária”, afirma o professor.

Para o período chuvoso da safra 2018/2019 o uso da terra se dará nas seguintes proporções: serão cultivados 1.211 ha de soja e 103 ha de sorgo forrageiro para a produção de silagem e o rebanho pastejará em 1.131 ha de pastagens perenes. Serão em média 4.507 animais, com taxa de lotação de 4,0 cabeças/ha e 3,4 UA/ha.

A atividade desenvolvida pela Fazenda Topgen é o ciclo completo (cria/recria/engorda) com 2.367 fêmeas em idade reprodutiva para a próxima estação de monta em um programa de melhoramento genético orientado pelo Qualitas. A cria e a recria são desenvolvidas em pastagem com suplementação mineral (fêmeas e machos adultos em reprodução) e suplementação múltipla protéica/energética/mineral para os animais de recria. A engorda é feita em confinamento. O progresso genético do rebanho da Topgen tem sido rápido e significativo, com índices atuais acima da média do programa. O professor Adilson Aguiar foi contratado para orientar a continuidade do projeto de intensificação da produção em pasto e implantar, acompanhar e orientar um programa de gestão dos custos e da análise de resultado econômico da atividade.

Fazenda Primavera

No dia 29 de novembro o professor Adilson Aguiar fez a terceira etapa do seu trabalho na Fazenda Primavera que fica no Município de Santa Rita do Novo Retiro, próximo à cidade de Goianésia, estado de Goiás. “A área da propriedade é relativamente pequena para os padrões das fazendas acompanhadas pelo professor, possuindo 300 hectares de área total e no final do projeto terá 210 hectares de área útil que será toda explorada com pastagens intensivas com um potencial de chegar a um rebanho de 2.000 animais no período de novembro a maio. A atividade que será explorada será a recria e a engorda de bovinos machos”, comenta Aguiar.

A fazenda foi recém-adquirida e antes era explorada com o cultivo de cana-de-açúcar para usinas da região. O ponto positivo desta situação é que o proprietário e toda a sua equipe terá a oportunidade de implantar um projeto ideal no sentido de tudo poder ser feito com bases técnicas/científicas de medidas, dimensionamentos.

A primeira etapa do trabalho do professor Adilson neste projeto foi nos dias 06 e 07 de dezembro de 2017 quando ele fez o inventario dos recursos e com base neste emitiu o diagnóstico da situação potencial e com base neste diagnóstico apresentou um projeto para toda a implantação das benfeitorias, edificações, pastagens e com executar o trabalho. Entre 24 e 25 de maio de 2018 o professor Adilson retornou para acompanhar o andamento da implantação da infraestrutura do projeto e agora para orientar o planejamento para a safra 2018/2019.

“O professor Adilson foi contratado para orientar a elaboração e a análise da viabilidade técnica e econômica do projeto, a implantação de todas as benfeitorias e edificações da propriedade, e para a fase de execução orientar o manejo da pastagem, o programa de suplementação do rebanho, o manejo animal”, destaca o professor.

 

Deixe uma resposta