fbpx

Notícias

Professor da Fazu leva conhecimento a pecuaristas nos Estados do Mato Grosso do Sul e Goiás

//
Comentário0
/

O professor da Fazu (Faculdades Associadas de Uberaba), Adilson de Paula Almeida Aguiar, esteve entre os dias 25 a 29 de abril, nos Estados de Mato Grosso do Sul e Goiás para realizar visitas a três clientes em fazendas. O professor Adilson esteve acompanhado pelo seu colega e parceiro Lucas Castro Silva, egresso do curso de Zootecnia da Fazu.

Fazendas Lagoa dos Buritis e Santo Antônio da Figueira

Nos dias 25 e 26 de abril, o professor Adilson Aguiar e o seu parceiro Lucas Castro, estiveram no Estado do Mato Grosso do Sul nos municípios de Selviria e Três Lagoas onde visitaram as Fazendas Lagoa dos Buritis (em Selviria) e Santo Antônio da Figueira (em Três Lagoas) nas quais o prof. Adilson desenvolve um programa de consultoria técnica desde o ano 2000 com duas visitas anuais, uma na entrada do período seco, como esta última de abril, e outra na entrada do período chuvoso (foi em novembro de 2016).

“As duas propriedades são de uma mesma família de São Paulo e somam 5.961 hectares de área útil de pastagens com um rebanho de 7.000 cabeças, sendo destas 3.826 fêmeas em idade reprodutiva. A atividade desenvolvida neste projeto é a cria para a venda de bezerros machos após a desmama e dos descartes de fêmeas”, conta Aguiar.

O professor orienta todo o programa de manejo da pastagem e da suplementação do rebanho. Sob a orientação do professor desde 2000, várias tecnologias vem sendo adotadas, tais como: a) nas pastagens: renovação de pastagens degradadas com forrageiras adaptadas com correção e adubação do solo, recuperação de pastagens degradadas com correção e adubação do solo, manejo do pastejo pelas alturas alvos, manejo integrado de plantas infestantes; b) com o rebanho: cadastramento e controle do rebanho em programa de melhoramento genético, IATF, suplementação especifica de acordo com a categoria animal e a estação do ano.

Campos Rações e Minerais e Fazenda São Joaquim

De acordo com o professor, entre os dias 27 e 29 de abril eles estiveram no Estado de Goiás nos municípios de Acreuna, Jandaia e Indiara. “No dia 27 de abril eles estiveram na cidade de Acreuna visitando a indústria de suplementos Campo Rações e Minerais, que é uma empresa familiar administrada por Ademar Pereira Leal Filho e pelo seu pai. O professor Adilson e o colega Lucas Castro visitaram a indústria guiados pela responsável técnica mestra e doutora em nutrição animal, Doutora Verônica que apresentou toda a linha de produção desde o recebimento da matéria prima até o carregamento de produtos prontos para o produtor. A Campo tem em seu portfólio de produtos mais de 360 formulações para todas as categorias de bovinos de corte e de leite.

No dia 28 de abril eles trabalharam em uma propriedade no município de Jandaia, Fazenda São Joaquim, propriedade de Ademar Pereira Leal Filho, também proprietário da empresa Campo Rações e Minerais visitada no dia anterior em Acreúna. “Esta propriedade possui uma área de 191,8 hectares, dos quais 151 são uteis e área própria, mais 40 hectares arrendados de um vizinho, todos explorados com pastagens. Daqueles 191.8 ha, 119 ha são intensificados, ou seja, 62% da área, com o manejo de correção e adubação do solo. A atividade exclusiva é a pecuária de corte nas fases de recria/engorda de machos”, informa Aguiar.

Do início de dezembro de 2016 até o dia desta visita, nos 119 ha de pastagens intensivas pastejaram um rebanho de 625 animais, em uma taxa de lotação de 4.12 cabeças/ha e 3.42 unidades animais/ha (UA/ha). Nos restantes 72.4 ha a taxa de lotação foi de 1 cabeça/ha e 1.14 UA/ha. Em toda a área de 191.8 ha pastejaram 701 animais com taxas de lotação de 3.7 cabeças/ha e 2.6 UA/ha.  “Do início de dezembro até o dia da visita em 28 de abril, os animais ganharam em média 0.99 kg/dia consumindo um suplemento múltiplo de médio consumo em um nível de suplementação de 0.3% do peso corporal”, conta Adilson.

A produtividade média de carne da safra 2016:2017 ainda não tinha sido calculada no dia da visita, mas na safra anterior foi de 37.6 @/ha/ano com ganho médio diário individual de 1,28 kg/dia para animais suplementados com suplemento múltiplo no nível de 0.3% do peso corporal. A gestão da atividade pecuária é feita pelo proprietário, Ademar Filho, e pela assistente técnica Cintya Tongu que faz visitas periódicas à fazenda.

Durante esta visita, além do proprietário e de sua equipe, muita enxuta, composta por apenas 3 funcionários, Geneci (gerente de produção), Adriano (serviços gerais) e senhora Geralda (caseira), o professor Adilson e seu colega Lucas Castro foram acompanhados pela assistente técnica do projeto, Cintya Tongu e alguns amigos do proprietário, Alaor Ávila e Ricardo Heise (também clientes do professor Adilson), e Charles Maia, pecuarista na região de Jussara/GO.

Fazenda Panorâmica do Turvo

No dia 29 de abril, terminando este roteiro de visitas pelos Estados de Mato Grosso do Sul e Goiás, o professor Adilson visitou uma propriedade no município de Indiara, a Fazenda Panorâmica do Turvo, propriedade de Alaor Ávila Filho. Esta propriedade possui uma área de 898 hectares e pode ser considerada uma referência em integração de atividades e uso intensivo da terra.

Segundo dados do professor, do total de 898 ha, 798 são uteis, e no dia da visita do professor Adilson estavam sendo explorados assim: 64 ha como campo para produção de sementes da forrageira capim-braquiarão; 169 ha cultivados com milho para a produção de grão integrado com capim-braquiária ruziziensis para pastejo de inverno; um pivô de 80 ha cultivado com tomate em parceria. Neste pivô é feita a integração de três cultivos anualmente: tomate, seguido por pastagem de inverno para a produção de carne, seguido pelo cultivo de soja; mais 12 ha de capim-tifton 85 para a produção de feno e a área restante, pelo menos por enquanto, é de pastagens perenes e outras áreas (estradas, corredores, ocupadas com benfeitorias e edificações etc)”.

No dia da visita em apenas 237 ha de pastagens estava pastejando um rebanho de 732 animais pesando 465 kg, em uma taxa de lotação de 3.09 cabeças/ha e 3.18 unidades animais/ha (UA/ha), enquanto que na visita feita em 16 de janeiro deste ano em apenas 251 ha de pastagens estava pastejando um rebanho de 985 animais, em uma taxa de lotação de 3.92 cabeças/ha e 3.42 unidades animais/ha (UA/ha). “De lá até o dia desta última visita 253 animais acabados já tinham sido comercializados. Do início da safra 2016:2017 até o dia desta última visita o desempenho animal individual tinha sido de um ganho médio diário de 1.0 kg/dia para animais pastejando pastagens intensivas sendo suplementados com suplemento múltiplo de baixo consumo no nível de suplementação de 0.1% do peso corporal”, afirma Aguiar.

A produtividade média de carne da safra 2016:2017 ainda não tinha sido calculada no dia da visita, mas nos últimos anos têm sido acima de 35 @/ha/ano (entre 20 e 50 @/ha/ano). A gestão da atividade pecuária é feita pelo proprietário e por um sócio/parceiro Ricardo Heise, que atua nos mercados financeiro e de commodities.

Durante esta visita além do proprietário, do seu sócio/parceiro e de sua equipe, muita enxuta, composta por apenas 3 funcionários, Arlan (gerente de produção), Leonor (peão) e senhora Nilda (caseira), o professor Adilson e seu colega Lucas Castro foram acompanhados por alguns amigos do proprietário, Ademar Filho (também cliente do professor Adilson) e seu gerente de pecuária, senhor Geneci, Charles Maia, pecuarista na região de Jussara, GO e Rafael”.

Deixe uma resposta