Notícias

Experimento na Fazu avalia doses e fontes de nitrogênio no cultivo de pastagens

A Fazu (Faculdades Associadas de Uberaba), em parceria com a empresa Produquímica, realiza experimento com tecnologia Polyblen. Conduzido pelo acadêmico do 7º período do curso de Zootecnia, Guillermo Nataniel Castedo Arteaga, o objetivo do projeto é avaliar a curva de resposta da produtividade de plantas forrageiras Panicum maximum (C.V Tanzânia) com diferentes doses e fontes de nitrogênio aplicadas a lanço em um sistema de pastejo rotacionado e de alta lotação. A pesquisa é orientada professor referência em pastagens, Adilson de Paula Almeida Aguiar.

O projeto teve início no dia 07 de dezembro de 2017 e tem previsão para finalizar no dia 07 de dezembro de 2018. O trabalho faz parte de uma linha de pesquisa para avaliar comparativamente fontes de nitrogênio que vem sendo coordenada pelo professor Adilson Aguiar desde 2006. Desde então, foram defendidos quatro trabalhos de conclusão de curso nesta linha de pesquisa, a qual tem trazido um grande ganho acadêmico.

De acordo com o professor Adilson, sob o ponto de vista científico, o trabalho faz parte de uma linha de pesquisa internacional com nitrogênio que remonta a década de 50, do século passado. “O nitrogênio é o elemento que apresenta a dinâmica mais complexa na natureza, é o que mais se perde, é o mais caro dentro de um programa de adubação. Então, a pesquisa mundial não tem medido esforços para determinar doses de maior resposta, frequência de aplicação de maior resposta e também, as fontes de nitrogênio com menores perdas para o meio ambiente”, afirma.

O professor ainda destaca que existem as fontes de nitrogênio convencionais, entre as quais as mais conhecidas são a ureia, o nitrato de amônio e o sulfato de amônio. Ainda têm as ureias ditas especiais, com inibidor de uréase; a combinada com cobre e boro; a com zeolitas, e as de liberação controlada. “O experimento conduzido pelo Guillermo compara a ureia convencional com ureia de liberação controlada”, destaca Aguiar.

Tecnologia Polyblen consiste na produção de fertilizantes de solo, onde seus grânulos são constituídos de nitrogênio e potássio revestidos por uma camada de enxofre e de polímeros. O fabricante afirma que a composição porosa absorve a água para o interior dos grânulos que dissolvem esses nutrientes na forma de uma solução nutritiva, que é liberada de maneira constante e gradativa para o sistema radicular das plantas durante o ciclo da cultura.

Guillermo Nataniel Castedo Arteaga, 22 anos, é natural de Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia e veio para o Brasil especialmente para estudar Zootecnia na Fazu. “A minha decisão de estudar Zootecnia veio da minha inclinação pelo campo e tradição familiar, e a Fazu apareceu como uma oportunidade ideal para mim na época, pois é uma faculdade de formação superior com muito trajeto e formandos exemplares. Após a graduação planejo continuar explorando a área de nutrição de animais a pasto”, destaca.

Deixe uma resposta