Fazu News

Saiba o que acontece na Fazu

Com as chuvas, cigarrinhas das pastagens causam prejuízos aos pecuaristas

//
Postado por
/
Comentário0
/
Especialista explica que a cigarrinha injeta toxinas e provoca a morte da pastagem e o controle biológico é uma alternativa rentável e sustentável para o controle da praga

Com a chegada da primavera e das chuvas, começa um novo ciclo no campo com a renovação dos pastos e, consequentemente, o aparecimento de importantes pragas, como as cigarrinhas das pastagens. O Dr. Luan Alberto Odorizzi explica que a época das águas traz a esperança de prosperidade para a fazenda, mas também proporciona o clima adequado para o aparecimento de uma das principais pragas em pastagem.

O professor conta que são várias as espécies que o pecuarista precisa controlar, dentre as mais importantes, destacam-se Zulia entreriana, Deois flavopicta, Deois schach e Mahanarva fimbriolata. Estes insetos são pertencentes à ordem Hemiptera (a mesma que cigarras e percevejo), são sugadores e, ao se alimentarem das plantas, injetam toxinas e provocam a morte da pastagem.

“Durante o período de seca, o pecuarista não consegue encontrar os adultos desta praga, pois como as condições de clima não são favoráveis (temperatura e umidade) esses insetos colocam seus ovos dentro do solo e estes mantêm-se em diapausa (sem atividades metabólicas). Com o retorno das chuvas, os ovos ativam novamente o metabolismo e dão origem às ninfas (fase jovem da cigarrinha)”, esclarece o professor Luan.

As ninfas podem ser encontradas na base das plantas, próximas às raízes, local onde estas se alimentam. Possuem coloração branco leitosa e não possuem asas e nem aparelho reprodutor desenvolvido. Nesta fase, ao se alimentar, as ninfas competem com as plantas sugando os nutrientes absorvidos pelas raízes.

Como forma de proteção, é possível encontrar as ninfas encobertas por uma espuma produzida pela glândula de Batelli, localizadas no final do abdome. Essa espuma confere proteção contra predadores e raios solares. Porém, é na fase adulta que os maiores prejuízos são verificados.

Os adultos possuem coloração variável de acordo com a espécie e podem variar de 6 a 10 milímetros. O adulto durante a alimentação injeta substâncias que irão coagular no interior dos tecidos da folha, o que poderá provocar a desorganização do transporte e a translocação da seiva, predominantemente no sentido apical, determinando a morte dos tecidos. Em geral, as folhas atacadas pelas cigarrinhas morrem a partir das pontas, apresentando, posteriormente, um aspecto retorcido. Exceto no que se refere às plantas muito jovens, as cigarrinhas não matam as touceiras, que rebrotam e se recuperam com o tempo. Este sintoma é conhecido como queima das pastagens.

O ciclo de vida das cigarrinhas varia com a espécie e condições ambientais, girando em torno de 53 dias, com 3 a 4 gerações ao ano.


Controle

Para o controle dessa praga, o pecuarista pode utilizar diversas técnicas integradas que poderão reduzir os impactos causados por esses insetos. Dentre estes métodos estão o controle cultural (adubação, destruição de restos culturais, pisoteio dos animais), utilização de variedades resistentes e/ou tolerantes, controle químico e o controle biológico por meio de fungos entomopatogênicos.

O Controle Biológico é uma alternativa rentável e sustentável para o controle de cigarrinhas da pastagem. No Brasil, o controle biológico tem crescimento exponencial e acelerado com previsão de crescimento de 20% a 25% ao ano, média acima do restante do mundo, com uma previsão de 17%. Entre os agentes de controle mais utilizados, encontram-se os predadores, parasitoides e os entomopatógenos (microrganismos como bactérias, fungos e vírus que podem provocar doenças nos insetos).

“Para o controle de cigarrinhas da pastagem, o fungo Metarhizium anisopliae tem ganhado destaque. Este fungo age em contato com a cigarrinha provocando distúrbios fisiológicos e posteriormente colonizando todo o corpo do inseto. As condições de sobrevivência para o fungo são as mesmas para a cigarrinha (altas temperaturas e umidades), o que permite em alguns casos uma única aplicação seja satisfatória. Outras características favoráveis são: não selecionar indivíduos resistentes, causa a morte de ninfas e adultos, não provoca desequilíbrio ambiental, é seletivo e específico, não tóxico (pode provocar em alguns casos alergias devido aos esporos), alta dispersão e multiplicação campo (desde que as condições ambientais sejam favoráveis) e pode ser aplicado com os animais no pasto”, informa o professor Luan.


Dr. Luan Alberto Odorizzi dos Santos 
É Biólogo, mestre e doutor em Entomologia Agrícola pela Unesp, com período cotutela em Université d’Avignon et des Pays de Vaucluse (França). É coordenador de Pós-graduação, Pesquisa e Extensão da Fazu e professor dos cursos de Agronomia e Zootecnia, além de coordenar o Grupo de Estudos e Pesquisa em Entomologia Aplicada (GEPEA).

Deixe uma resposta